A importância dos brinquedos no desenvolvimento infantil

postado em: Blog, Slider | 0

Toda criança tem necessidade de brincar, isto é uma característica da infância. A função do brincar não está no brinquedo, no material usado, mas sim na atitude subjetiva que a criança demonstra na brincadeira e no tipo de atividade exercida. Essa vivência é carregada de  prazer e satisfação. É a falta desse prazer ou dessa satisfação que pode acarretar na criança alguns distúrbios de comportamento. Em cada etapa evolutiva da criança, o brincar vai se modificando, mas é essencial que ela tenha oportunidade de explorar todas as fases do brincar.

A importância do brinquedo é a da exploração e do aprendizado concreto do mundo exterior, utilizando e estimulando os órgãos dos sentidos, a função sensorial, a função motora e a emocional. A brincadeira tem uma enorme função social, desenvolve o lado intelectual e principalmente cria oportunidades para a criança elaborar e vivenciar situações emocionais e conflitos sentidos no dia a dia.

A criatividade pode ser estimulada com objetos simples onde a criança tem oportunidade de criar, inventar novas funções e utilidades desses objetos. Pedaços de papel, pano, caixas vazias, canudos, palitos, barbante, cola, lápis, etc., são objetos ricos para a criança poder externar sua capacidade de criação, de construção. Deve-se evitar brinquedos muito estruturados, sofisticados que só podem representar aquilo a que se destinam.

Os brinquedos mais adequados de acordo com as idades são:

De 0 a 2 anos: Explorar a percepção visual, através de móbiles grandes e coloridos ao alcance da criança (pendurados no berço). Objetos que produzem sons ao serem manipulados, com isso a percepção auditiva é estimulada.

Objetos de encaixe a partir de 1 ano. Nessa fase a criança sente satisfação em colocar e tirar objetos de dentro de caixas, isso estimula a coordenação óculo-manual.

A partir dessa fase é muito importante a brincadeira de esconde-esconde (objetos, rosto, corpo etc. essa brincadeira possibilita descobrir, com a criança, como ela está elaborando o processo de separação (ansiedade, querer achar logo), é importante para perceber como ela suporta a ausência.

A brincadeira de esconde-esconde, desenvolvida mais tarde, aguça também a inteligência da criança, ela vai adquirindo noções de espaço, tamanho, distancia etc.

De 2 a 4 anos: Nessa fase os brinquedos passam a ter funções  mais específicas, dando oportunidade para a criança vivenciar, através dos brinquedos, a sua vida diária, suas necessidades básicas, então panelinhas, bonecos, carrinhos, casinhas, posto de gasolina, são ideais nessa fase, a bola, a partir desse momento, expressa noções de distancia, espaço equilíbrio.

A partir dessa idade a criança passa a mostrar em suas brincadeiras a vontade, o propósito de fazer algo definido, existe grande motivação e prazer em concretizar sua meta.

De 4 a 6 anos: Nessa fase ela já se interessa por jogos, com regras que podem explorar o raciocínio, o mental, e o emocional, (o ganhar ou perder na brincadeira). Nessa fase ela tem a possibilidade de trabalhar com a frustração, aspecto fundamental para o  equilíbrio da personalidade.

De 8 a 10 anos: A criança adora confeccionar objetos que lhe agradam, percebe o meio ambiente ilimitado, já corresponde à relação do mundo externo com o interno. Gosta de colecionar. É a fase dos jogos comunitários (pega-pega, esconde-esconde, futebol), jogos mais elaborados, quebra-cabeças são bem vindos.

De 10 anos em diante: Nessa fase o vídeo game é extremamente adorado pela criança, que deve usá-lo com moderação. É interessante joga-lo sempre com outra pessoa, possibilitando assim o entendimento da competição, cooperação e elaboração da frustração.

Um cuidado a ser lembrado é que a criança não deve ser incentivada ao consumismo, ela quer esse ou aquele brinquedo. Normalmente a criança escolhe o brinquedo que se identifica com os valores do grupo e nesse momento o dialogo é fundamental.

Os pais devem sempre estar atentos à faixa etária antes da compra do brinquedo, procurando adequá-lo à idade e ao nível de maturidade emocional do filho.

Quando a criança é privada da necessidade de brincar, vários distúrbios podem aparecer no seu comportamento: Problemas de sono, irritabilidade excessiva, agressividade, dificuldades de relacionamento em geral. Em cada fase do desenvolvimento o brincar tem funções diferentes, mas o não brincar trará sempre conseqüências negativas.

Propicie a seu filho uma infância saudável. Lembre-se ele deve ter tempo para brincar, a infância é muito curta, portanto deixe-o curti-la.

Deixe uma resposta